+55 21 967 648 998
+55 21 967 648 998

O Grafite de Eduardo Kobra no Boulevard Olímpico

Quem vai à Praça Mauá certamente se depara com o paredão na zona dos galpões portuários onde estão expostos os grafites do famoso Eduardo Kobra. O paredão denominado “Etnias” é super colorido e chama atenção imediatamente de quem está ali na área, pelas cores e pelo tamanho. São 15 metros de altura por 170 metros de comprimento.

O painel fica localizado no Bairro da Gamboa, na região central do Rio de Janeiro. Foi pintado na fachada de um antigo armazém por conta dos Jogos Olímpicos de 2016. Localiza-se precisamente na Orla Conde, bem em frente à parada dos navios.

O conceito do grafite são os cinco arcos olímpicos representados na forma de nativos/índios de cada continente. Os huli, (Nova Guiné), os mursi (Etiópia) os kayin (Myanmar e da Tailândia), os supi (Lapônia) e os tapajós (Brasil). A união dos arcos olímpicos significa paz e união entre os povos.

Para fazer o grafite, Kobra usou quase 3.000 latas de spray, 180 Baldes de tinta acrílica e 7 elevadores hidráulicos. O paredão é considerado pelo Guinness, com 2,6 mil m² de área, o maior grafite do mundo! A técnica de pintura aplicada foi a de aerosol, acrílico e esmalte. O painel levou 40 dias para ser pintado. Paredão no Boulevard Olímpico faz parte de uma série de grafites do Kobra sobre a paz.

Como Chegar

O Boulevard Olímpico possui várias estações de VLT, você pode parar na estação mais próxima da Praça Mauá ou então em alguma subsequente. Também há a possibilidade de ir de metrô até a estação Uruguaiana ou Carioca, e de lá ir andando até a Praça Mauá. Lembrando que o Aqua Rio fica um pouco adiante do paredão. Dá para ir para lá andando ou de VLT.

Free Walker Tours

Uma recomendação é que você dê uma olhada no passeio “RIO FREE WALKING TOUR OLYMPIC BOULEVARD & AFRICAN HERITAGE” da Free Walking Tour.  Nele você vai conhecer a história que está por trás de locais ali perto, como a Praça XV, a Pedra do Sal e a Igreja da Candelária e vai conhecer a herança que os negros africanos deixaram naquela área.  Lembrando que o Free Walking Tour é a pé e conta com um guia que vai te dar um show de história sobre a região. Mais informações aqui.